top of page
  • ionsegutimed

Estou tremendo, o que eu devo fazer?




O tremor, uma condição bastante comum, é definido como um movimento rítmico, regular e recorrente. Na avaliação feita pelo seu médico, é necessário caracterizar bem a duração, a localização, a intensidade; enfim, o tipo de tremor. Além disso, o profissional vai avaliar quanto à presença ou ausência de outros sinais neurológicos e questionar quanto ao efeito de medicamentos ou álcool e a ocorrência de doenças metabólicas como problemas na tireoide, por exemplo.


Portanto, a história e o exame físico são fundamentais para se estabelecer se o tremor

primário (aquele que não é causado por uma lesão cerebral, por exemplo) é um tremor de ação (tremor postural, cinético ou intencional) ou um tremor de repouso. Dentre os tipos mais comuns de tremor estão: o tremor essencial, o tremor fisiológico, o tremor induzido por drogas ou medicamentos, o tremor psicogênico, o tremor distônico, o tremor primário da escrita, o tremor postural e o tremor cerebelar. O tremor parkinsoniano é uma causa relativamente frequente de tremor de repouso.


No artigo científico - A practical guide to the differential diagnosis of tremor, publicado no Postgrad Med J 2011;87:623e629, os autores enfatizam que há 4 pilares fundamentais no manejo do tremor: a) definir a localização anatômica, b) o tipo de ativação (repouso, postura e ação), c) a frequência e a amplitude.


Muitas pessoas têm um tremor sutil nos membros superiores, intermitente, relacionado à postura, que pode ser desencadeado por fatores como emoção, fadiga e cafeína. Este é o TREMOR FISIOLÓGICO, que pode ser exacerbado pela ansiedade; como por exemplo, numa apresentação de uma palestra em espaço público.


Já o TREMOR ESSENCIAL é um tremor que também afeta os membros superiores, usualmente tem baixa amplitude, razoavelmente de rápida frequência, que tende a ser assimétrico e que pode aparecer quando se tenta alcançar um determinado alvo. Em alguns casos, pode estar presente o tremor cefálico e da voz. Podem começar em qualquer idade, da infância até a fase adulta; porém o pico de início é geralmente aos 45 anos e a incidência vai aumentando com a idade. Afeta igualmente homens e mulheres e uma substancial quantidade de pessoas nunca procura assistência médica, impactando a realização de atividades de vida diária.


E a pergunta mais frequente e o receio daqueles que tremem – Eu tenho doença de PARKINSON, Doutor?


Se você está tremendo e tem dúvidas, procure um Neurologista, que seja especializado na área de DISTÚRBIOS DE MOVIMENTO.


O IONS conta com um profissional técnico, competente e muito experiente nesta área.


Dr. Flávio Faria da Costa Pereira

Chefe do Grupo de Distúrbios de Movimento do Hospital de Base do Distrito Federal.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page